Páginas

Add This

domingo, 28 de outubro de 2012

2º Turno no Estado do Rio


  • Neilton Mulim (PR) eleito em São Gonçalo

    Rodrigo Neves (PT) eleito em Niteroi.
  • Neto (PMDB) é reeleito em Volta Redonda.
  • Dennis Dauttmam (PC do B) eleito em Belford Roxo

    Nelson Bornier (PMDB) Eleito em Nova Iguaçu.

    Rubens Bomtempo (PSB) eleito em Petrópolis

    Alexandre Cardoso eleito em Duque de Caxias

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Vitória no Supremo! Por 6 a 1, ministros rejeitam acusação contra Garotinho que se arrasta há 8 anos





A Bíblia fala que toda verdade um dia será revelada. Hoje, a maior corte do país, Supremo Tribunal Federal, restabeleceu a verdade sobre uma das maiores injustiças cometidas contra mim. Em sessão que durou 3 horas e terminou há instantes, o Supremo por 6 votos a um rejeitou a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal no inquérito nº 2704, de que nas eleições de 2004 quando concorria à prefeitura de Campos, Geraldo Pudim eu teria participado de um esquema de compra de votos.

À exceção da relatora, ministra Rosa Weber, os ministros Gilmar Mendes, Carmem Lúcia, José Dias Toffoli, Ricardo Lewandoswski, Ayres Britto e Marco Aurélio Mello foram claros em afirmar que havia na denúncia do MPF nem mesmo indícios de que eu tivesse praticado ato ilícito ou qualquer crime que justificasse a transformação do inquérito em ação penal.

Agora faço uma pergunta: e os jornais que de 2004 até hoje, oito anos depois, me acusaram sem provas de ter participado de um esquema de compra de votos, que o STF hoje afirmou em quase sua totalidade, com exceção de um voto, que nunca tive qualquer envolvimento?

Um fato importante devo destacar. Mesmo ciente que na semana que vem se completaria 8 anos do fato, portanto havendo a prescrição, pedi a meu advogado que dissesse na tribuna do Supremo Tribunal Federal que eu queria ser julgado para que não restasse dúvidas sobre a minha honestidade e a lisura da minha conduta.

Agora, a oposição que arrume outro discurso para me atacar. O discurso da incompetência já foi por água abaixo com mais uma vitória de Rosinha, com 70% dos votos. O da compra de votos ou corrupção eleitoral foi rejeitado pela esmagadora maioria do Supremo, a mesma corte que está condenando a Turma do Mensalão.

Aos meus amigos que nunca perderam a confiança em mim, o meu muito obrigado. Aqueles que ainda têm alguma dúvida sobre outras maldades que nossos adversários inventaram contra mim e a minha família, podem ter certeza de uma coisa: não dormirei em paz enquanto a minha honra não for totalmente restabelecida.

Sofri oito anos até o dia do julgamento de hoje. Assim como levei cinco anos para conseguir condenar a revista Veja sobre as calúnias e difamações que lançou contra mim. Mas para um homem público não importam os dias, os meses, os anos, ou até mesmo uma vida inteira para restabelecer a verdade. O que importa é ter a consciência de que cumpri o meu dever e agi corretamente. Hoje vou dormir mais tranquilo, graças a Deus. 

Blog do Garotinho

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Ao mestre com carinho... "Feliz dia do PROFESSOR"


Água mole pedra dura...



Gegê Cantarino depois daquele empurrãozinho de Garotinho num comício em Cardoso, conseguiu ganhar do experiente Gilson Siqueira. Se por um lado Gegê é muito insistente tendo em vista que já foi candidato pela quarta vez. Por outro a população já estava enjoada do modelo administrativo montado por Gilson Siqueira. 

Gilson conseguiu perder seu próprio Vice que foi parar no palanque de Gegê que é o Élcio Rangel. Agora Gilson vai ter que arrumar as gavetas bem arrumadas porque vem a temporada de cassa da 'turma de Gegê' que ganhou a eleição. Provavelmente isso ainda vai dar muito o que falar porque as coisas não andavam muito nos eixos nas terras Cardosenses. Na eleição de Gegê todo mundo diz que Garotinho fez a diferença, ou seja, Garotinho foi a intéra para Gegê passar Gilson na eleição.

A Mosca Azul

Jogaram pedra no telhado de Hélio Anomal



Na eleição de 2008 surgiam denuncias de compra de voto no município, mais especificamente no Distrito de Vila Nova. Dizem que o mentor das denuncias foi o ex-presidente do PT Hélio Anomal, amigo do ministro Gilberto Carvalho. 

Helinho pela amizade que tem com Gilberto conseguiu a concessão de uma rádio comunitária em Travessão. Mas a turma não perdoa, Helinho candidato a vereador foi detido no dia da eleição por transporte ilegal de eleitor, por ironia do destino no mesmo Distrito de Vila Nova. 

Se em 2008 Helinho botou fogo no circo, em 2012 jogaram uma pedra no telhado dele. Como as partidas e futebol em Vila Nova são sempre muito disputadas poderíamos dizer que Helinho e Calil ficou em 1 x 1. Agora é aguardar 2014.

Fonte: Blog A Mosca Azul

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Idosa morre em Barra Mansa, RJ, após ter sopa injetada na veia



Mulher de 88 anos estava internada na Santa Casa da cidade.
Hospital reconhece erro, mas não acredita que ele tenha causado a morte.

Do G1 RJ, com informações da TV Rio Sul

Uma mulher de 88 anos, que estava internada na Santa Casa de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro, morreu depois de uma funcionária ter injetado sopa em sua veia. A direção do hospital reconheceu o erro, mas não acredita que isso tenha provocado a convulsão da paciente, como mostrou o Bom Dia Rio.

O enterro aconteceu na manhã de terça-feira (9), na capela do cemitério municipal. Dezenas de parentes e amigos estavam inconformados com a morte da idosa. "Estamos todos revoltados e queremos que seja feita a justiça e que não aconteça com mais ninguém", disse um familiar da idosa.

Ilda Vitor Maciel estava internada desde o dia 27 de setembro na Santa Casa de Barra Mansa. Ela teve um acidente vascular encefálico, que paralisou metade do corpo. Os filhos dizem que ela vinha apresentando sinais de melhora.

“Conversei com ela no domingo, ela entendia o que eu falava com ela. Dei minha mão na mão dela e ela apertava com uma força danada”, afirmou o neto Mauro Maciel. De acordo com a família, na noite de domingo (7) a idosa esperava por mais uma refeição, que era uma sopa. "Injetou foi na veia. Quando injetou na veia, minha mãe pegou e começou a se bater, colocou a língua para fora e começou a se bater. Eu fiquei assustada e fui  e chamei a enfermeira", disse a filha.

Ela foi medicada, mas morreu 12 horas depois. A ficha de informação que solicita a necropsia, assinada por uma médica da Santa Casa, apresenta o acidente como provável causa da morte, e sugere embolia pulmonar, quando as veias do pulmão são obstruídas.

Já na declaração de óbito do Instituto Médico Legal (IML) de Volta Redonda, consta causa indeterminada, aguardando resultados de exames de laboratório. A direção da Santa Casa reconheceu o erro da funcionária, mas não acredita que ele tenha relação com a convulsão, nem com a morte da paciente. Eles esperam pelo resultado do laudo, que deve ficar pronto em 30 dias.
“Em função do equívoco e da dúvida que ficou é que nós resolvemos, e partiu da Santa Casa, a conversação com os familiares para que o corpo fosse removido até o IML para fazer a necropsia. A própria ouvidoria da Santa Casa abriu o processo interno, que já está em andamento”, alegou Álvaro Freitas, diretor administrativo da Santa Casa
.

Idosa que escorregou em 'santinhos' morre por complicações da queda

Incidente aconteceu no domingo, durante as eleições em Bauru, SP. 

Mulher, de 64 anos, fraturou a bacia e estava internada desde então. 

Mariana BonoraDo G1 Bauru e Marília


Morreu na manhã desta quarta-feira (10) uma mulher de 64 anos que escorregou em "santinhos" espalhados em frente à Escola Francisco Alves Brisola, no Núcleo Geisel, um dos 87 locais de votação nas eleições do último domingo (7) em Bauru (SP). Ela havia fraturado a bacia na queda. 


Socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada ao Pronto-Socorro Central, no mesmo dia a idosa precisou ser transferida para o Hospital Estadual por conta da gravidade da fratura. 

Segundo a assessoria do hospital, a mulher já apresentava problemas de saúde e, agravados com a fratura na bacia, não resistiu. Ainda de acordo com a assessoria, a idosa não tem familiares. Vizinhos e amigos dela, assim como funcionários do hospital, estariam se mobilizando para realizar o velório e o enterro do corpo.
61 comentári
No dia do incidente, a polícia não registrou a ocorrência. Sobre os "santinhos" espalhados pelas ruas, a assessoria de imprensa da prefeitura informa que foram recolhidas aproximadamente sete toneladas de lixo eleitoral na segunda-feira (8), nas regiões dos 87 locais de votação.
Bombeiros socorreram a idosa no último domingo (07), após ela escorregar nos santinhos.  (Foto: Gleise Keller Assunção/ Foto cedida pelo Jornal da Cidade )Bombeiros socorreram a idosa após queda (Foto: Gleise Keller Assunção/ Jornal da Cidade )

Relator do mensalão vai ser o novo Presidente do STF






O Supremo Tribunal Federal (STF) elege nesta quarta-feira (10) seu novo presidente para um mandato de dois anos. Pela tradição, será escolhido o ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão e atual-vice-presidente do Supremo. Barbosa, porém, só deve assumir o comando em novembro. O vice-presidente da corte será o revisor do processo do mensalão, Ricardo Lewandowski.

A sucessão do comando segue a ordem da antiguidade; os ministros escolhem o mais antigo integrante do tribunal e o segundo mais antigo passa a ser o vice. O critério faz com que o atual vice sempre seja o próximo presidente. Aquele que termina o mandato vai para o fim da fila, para possibilitar a alternância.

A eleição deve ser rápida e ocorrer antes do início da sessão para o julgamento do mensalão.

Barbosa só assume em novembro, quando o atual presidente da corte, ministro Carlos Ayres Britto, só se aposentará compulsoriamente ao completar 70 anos. Ainda não há data exata para a posse.

Fonte G1

Claudio Andrade

terça-feira, 9 de outubro de 2012

As 10 Maiores Curiosidades das Eleições 2012


Supremo condena José Dirceu e Genoino por corrupção ativa


Placar está 6 X 2 contra ex-ministro da Casa Civil. Corte já condena Delúbio Soares


Em São Paulo, ex-ministro José Dirceu chega para votar
Foto: Agência O Globo / Michel Filho
Em São Paulo, ex-ministro José Dirceu chega para votarAGÊNCIA O GLOBO / MICHEL FILHO
RIO - O ministro Marco Aurélio proferiu, nesta terça-feira, o voto que faltava para a condenação do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu por corrupção ativa. No 33º dia de julgamento do mensalão, a partir da sua decisão, foi formada a maioria de 6 a 2 pela condenação - ainda faltam votar os ministros Celso de Mello e o presidente do Supremo, Carlos Ayres Britto. Na mesma sessão, também foram condenados o ex-presidente do PT, José Genoino (placar, por enquanto, de 7 a 1), e o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares ( placar de 8 a 0), pelo mesmo crime.
Só absolveram Dirceu, até aqui, José Antonio Dias Toffoli e o revisor, Ricardo Lewandowski. Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia e Toffoli acompanharam Joaquim Barbosa na condenação de Genoino, Delúbio, Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz e Simone Vasconcelos. Rogério Tolentino foi absolvidos por Toffoli, assim como havia feito apenas o revisor. Anderson Adauto foi absolvido por todos. Geiza Dias foi condenada por Marco Aurélio, mas absolvida pelos que já votaram até aqui (VEJA COMO FOI O 33º DIA DE JULGAMENTO DO MENSALÃO).

— Tivesse Delúbio Soares a desenvoltura intelectual e material a ele atribuída, não seria somente tesoureiro do partido. Quem sabe teria chegado a um cargo muito maior. Apontar Delúbio como bode expiatório como se tivesse autonomia suficiente para levantar R$ 60 milhões - já não sei mais a quantia e distribuir esses milhões - ele próprio definindo os destinatários, sem conhecimento da cúpula do PT? A conclusão subestima a inteligência mediana.Marco Aurélio começou a votar argumentando que não é concebível a tese de que Delúbio Soares fosse o grande artífice do esquema do mensalão. O ministro deixou claro que o Dirceu era responsável pelas alianças no Congresso, e que tinha participação efetiva na organização criminosa.
Marco Aurélio continuou:
— As reuniões eram todas capitaneadas por José Dirceu, que homologava os acordos daquele partido, acordos que vimos e já estamos aqui com a culpa formada da corrupção ativa, acordos que extravasaram e muito os acordos políticos, já que não se pode imaginar partidos altruístas que se socorram com cifras elevadas.
O ministro também considerou relevante os encontros de José Dirceu que constam dos autos do processo.
— O ministro José Dirceu e Sílvio Pereira eram sabedores desses empréstimos e garantiram o pagamento (às empresas de Marcos Valério e depois repassados segundo o critério do PT). Para a obtenção dos mesmos com Banco Rural, a reunião ocorreu num hotel em BH, num jantar, e com o BMG ocorreu em Brasília.
Marco Aurélio também citou as vantagens recebidas pela ex-mulher de José Dirceu.
— Indagado sobre o empréstimo, a ex-esposa de Valério confirmou que houve o empréstimo e que houve a oferta de um emprego. (...) Sílvio Pereira foi mobilizado para ajudar num problema pessoal de José Dirceu com sua ex-esposa, que queria trocar de apartamento. Este advogado (Rogério Tolentino) resolvia todos os problemas do grupo. Tolentino comprou o apartamento da senhora Ângela e que pagou à vista.
Gilmar Mendes: provas abundantes
Gilmar Mendes, antes de Marco Aurélio, começou seu voto relembrando a constatação da Corte sobre a existência da compra de apoio político no Congresso. Depois, começou a tratar das provas.
— Entre os poucos consensos nos autos destaco que a efetiva aproximação do PT ao PP, ao PMDB, ao PL e ao PTB a fim de formar a base de sustentação do governo. O conteúdo desta acusação é sobre o compartilhamento de despesas de campanha, já rechaçadas pela Corte. Em verdade, há consenso na existência de acordo político e no repasse de recursos financeiros. Surge para o debate a questão da prova.
Segundo ele, as provas dos autos são abundantes e, na sua análise, os tipos de provas não podem ser hierarquizados:
— A despeito das questões teóricas, é preciso destacar que foram produzidos vários autos e o processo é abundante de provas e é a qualidade da prova que interessa ao processo (...) O valor do testemunho não pode ser hierarquizado segundo o grau da autoridade. O valor do testemunho eve ser auferido segundo sua ingerência interna e externa. Deve-se observar certa persistência. A mentira traz notáveis diferenças em seus depoimentos. Importante ainda observar o valor da pergunta e sua resposta e outro aspecto relevante é o interesse pessoal do depoente.
Diferentemente do ministro José Antonio Dias Toffoli, o primeiro a falar nesta terça-feira, Mendes considerou válido o depoimento de Roberto Jefferson, mesmo ele sendo inimigo de Dirceu
— As afirmações de Jefferson foram sempre reveladores e trouxeram á tona esse escândalo para o país.
O ministro disse ainda que a argumentação de que Delúbio teria agido sozinho é “menosprezar a inteligência alheia”.
— É possível que Dirceu e Genoíno não participavam dos repasses, o que era administrado por Delúbio e Valério? Me parece menosprezar a inteligência alheia o fato de que eles participaram da elaboração das articulações. Não se imputa ao acusado fatos ordinários, os fatos fazem parte de projetos de partido e governo. Não são um mero deslize do tesoureiro. Tenho dificuldade de acreditar na participação solo de Delúbio.
Cármen Lúcia: ‘O ilícito não é normal’
Em seu voto, Cármen Lúcia fez uma defesa do Estado democrático de Direito, e considerou grave o tom das defesas dos réus no plenário do Supremo:
— O ilícito não é normal. Acho estranho e grave que uma pessoa diga 'houve caixa dois'. Ora, caixa dois é crime, é uma agressão à sociedade brasileira.
Cármen Lúcia admitiu que não há nenhum documento assinado por José Dirceu que leve à comprovação das acusações que lhe são atribuídas. Entretanto, a partir de outros fatos, como o depoimento de Delúbio Soares, a ministra formou o convencimento de que o réu praticou o crime de corrupção ativa.
— A ligação de Marcos Valério com Dirceu fica comprovada, e as ligações de Valério com os demais faz com que eu considere que houve oferta de vantagem, porque um publicitário mineiro desconhecido... Não era razoável que ele contasse apenas com a palavra de um secretário, razão pela qual eu não tenho como descaracterizar tudo que houve, como, sim, a vantagem obtida pelo réu José Dirceu. Voto pela procedência da ação e condeno o réu.
Toffoli absolve Dirceu
O ministro Dias Toffoli, primeiro a se pronunciar no regime de votação, votou pela absolvição do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu no crime de corrupção ativa. Segundo o ministro, a acusação do Ministério Público poderia ter indicado outros crimes — como tráfico de influência — e, por entender que não há provas suficientes para condenação, livrou o réu:
— O único que fez referência a Dirceu foi Jefferson. Todos falaram e falaram muito. Hoje mesmo quando analisei os depoimentos de vários corréus, esses que falaram tanto em CPI quanto em Polícia Federal. O que dizem de Dirceu? Nada que o incrimine. Em relação ao delito corrupção ativa, julgo improcedente a ação. — disse Dias Toffoli, que também absolveu Rogério Tolentino, Anderson Adauto e Geiza Dias da mesma acusação.
Toffoli condenou Delúbio, Genoino, Marcos Valério, Cristiano Paz, Ramon Hollerbach e Simone Vasconcelos pelo crime de corrupção ativa. Segundo o ministro, Delúbio era o elo de ligação entre os núcleos político e operacional, e tinha papel importante no esquema de compra de votos no Congresso:
— As provas não apresentam dúvida na prática em relação aos delitos em questão, corrupção ativa. Está claro o elo de ligação entre o núcleo político e o núcleo financeiro — afirmou Toffoli, que também argumentou que Marcos Valério comprovou em depoimento o repasse de dinheiro a pedido dos dirigentes do Partido dos Trabalhadores.
— Temos a declaração do próprio acusado que admitiu os repasses por ordem do PT, a de Simone Vasconcelos, que admitiu ter feito as entregas, e de Pedro Henry e Pedro Corrêa, que admitiram os repasses.
Com relação a Genoino, após ler depoimentos de deputados e líderes da base aliada ao governo na época, Dias Toffoli foi enfático:
— Entendo que está desprovida de verossimilhança a tese da defesa que ele desconhecesse o fato. Senão, por que avalizaria os repasses? Se desconhecesse, como justificar as cobranças dos líderes dos partidos a ele? — questionou.
Antes do reinício da votação, o revisor Ricardo Lewandowski pediu a palavra para rebater argumentos citados por colegas para condenar o réu José Genoino. Segundo Lewandowski, não haveria nenhum documento conjunto de Marcos Valério e Genoino avalizando empréstimos bancários.
— Genoino está sendo denunciado pelo simples fato de ter sido presidente do PT na época.
O revisor foi apartado por Marco Aurélio Melo e pelo presidente Ayres Britto.
— O empréstimo era institucional, daí Genoíno assinar como representante do partido. Nas renovações dos empréstimos me parece que Genoíno ficou como avalista — retrucou Ayres Britto.
Após condenação, dosimetria
Com a condenação do chamado núcleo político do esquema — integrado pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente do partido José Genoino —, os ministros do Supremo vão precisar decidir como calcular a pena dos réus. A proposta do Ministério Público Federal é de que Dirceu e Delúbio sejam condenados pela prática de corrupção ativa por nove vezes em concurso material. De acordo com a regra, soma-se nove condenações — o que poderia levar os dois a pegar até 108 anos de prisão. A denúncia atribui a Genoino a prática do crime por oito vezes, o que poderia resultar em 96 anos de prisão.
No entanto, a legislação contém outras duas formas de calcular a pena: o concurso formal e o crime continuado. Nesses casos, os ministros atribuiriam a pena aos réus como se o crime tivesse sido praticado apenas uma vez. No concurso formal, essa pena poderia ser aumentada de um sexto até a metade, fazendo com que a pena pudesse chegar a 18 anos de prisão para Dirceu, Delúbio e Genoino. No crime continuado, a pena poderia ser aumentada de um sexto a dois terços, o que poderia resultar em 20 anos de prisão para cada um dos três réus.
Caberá aos ministros da Corte decidir como fazer a conta. A chamada dosimetria da pena ocorrerá após o julgamento de todos os réus. Os ministros que votaram até agora não se manifestaram sobre a forma de calcular a pena. A regra do concurso material considera que os crimes cometidos pelos réus são únicos e independentes. A regra do concurso formal aplica-se quando o réu comete dois crimes com uma só ação. De acordo com a norma do crime continuado, com mais de uma ação um réu pode praticar dois ou mais crimes da mesma espécie.


Inconformados



Do A Charge On Line.

ALTAMIR BÁRBARA VAI AO TRE E DIZ QUE VAGA DE FÁBIO RIBEIRO(PR) É DO PSB


Campos 24 Horas (aqui)



O vereador Altamir Bárbara(PSB), que foi candidato a reeleição e figura na relação oficial do TSE como 1º suplente, declarou ao Campos 24 Horas, no final da tarde desta segunda-feira(08/10), que requereu à Justiça Eleitoral uma revisão de cálculos.
Segundo Altamir, Fábio Ribeiro(PR) foi inserido na relação de eleitos de forma equivocada, já que o PSB tem mais sobra de legenda do que o PR, e deveria conquistar duas cadeiras, e não apenas uma, conforme o resultado oficial que apontou somente seu colega Jorge Rangel(4.558 votos), como eleito. Altamir Bárbara obteve 3.506 votos.
Com base nos cálculos da assessoria de Altamir Bárbara, a colisão PR/PRB obteve 51.773  votos nominais e 7.395 votos legenda, perfazendo um total de 59.168 legendas.
Como o coefiente eleitoral ficou em 10.900, o PR/PRB deveria fazer cinco vereadores de forma direta e um na sobra.
Segundo ainda a assessoria de Altamir, o TSE de forma equivocada deu sete vagas(seis diretas e uma na sobra) a coligação PR/PRB, quando deveria ter dado seis(cinco diretas e um na sobra).

Ocorre que, o PSB tem uma sobra de 5.200 votos e o PR de 4.300 votos. “Portanto, o PSB deveria ter figurado na relação do TSE com dois vereadores eleitos, eu e o Doutor Jorge Rangel,  e não apenas um, já que fizemos um total de 16.537 votos, incluindo votos nominais e legenda”, afirmou Altamir Bárbara, que ainda disse que seu advogado Leandro está despachando no final da tarde com o Juiz Eleitoral de Campos.

Partidos aliados ao PR de Garotinho e Feijó elegem 12 dos 16 prefeitos da região



Coordenador da campanha do PR e dos partidos coligados na região Norte-Noroeste, o deputado Paulo Feijó (PR-RJ) considerou os resultados das eleições muitos favoráveis. Em 16 municípios, foram eleitos 12 prefeitos: Rosinha Garotinho (Campos), Octávio Carneiro (Quissamã), Pedrinho Cherene (São Francisco de Itabapoana), Gegê Cantarino (Cardoso Moreira), Leozinho do Banco (Italva), Josias Quintal (Pádua), Alfredão (Itaperuna), Dr. Salomão (Cordeiro), Juedir Orsay (Miracema), Dr. Rivelino (Laje), Taninho (Natividade) e Dr. Flávio (Aperibé). Os municípios nos quais os candidatos da coligação liderada pelo PR não se elegeram foram São João da Barra (o eleito foi Neco), São Fidélis (Fenemê), Bom Jesus do Itabapoana (Branca Motta) e Itaocara (Gelsimar). Feijó considera que aproveitou bem a oportunidade que lhe foi dada pelo deputado Anthony Garotinho.

Votação de Arnaldo, Claudeci e Mocaiber



O TRE divulgou hoje a votação dos candidatos com registro indeferido e que ainda recorrem ao TSE.

De Campos, Arnaldo Vianna (PDT), que disputava a Prefeitura de Campos teve 31.436 votos

Alexandre Mocaiber (PSB), que concorreu a uma vaga na Câmara, obteve 539 votos

Claudeci da Silva – 1.003 votos

blog da Suzy Monteiro.

Verônica Costa assumirá vaga na ALERJ



Uma decisão tomada ontem à noite pela empresária do funk Verônica Costa frustrou a possibilidade de Geraldo Pudim (segundo suplente na eleição de 2010) assumir, em 2013, uma vaga na Assembléia Legislativa. É que Verônica, eleita para a Câmara do Rio, também tem direito a um assento na Alerj a partir da eleição do deputado Miguel Jeovanni, em Araruama. Verônica pode, então, escolher entre ficar dois anos na Alerj e quatro no Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara de Vereadores do Rio. A funkeira, conhecida por Mãe Loura, preferiu ser deputada estadual.

Blog do Saulo Pessanha

CONHEÇA OS VEREADORES: A NOVA CARA DA CÂMARA DE CAMPOS


 Na ordem:


  • Nildo Cardoso
  • Tadeu Tô Contigo
  • Abdu Neme
  • Fred Machado
  • Paulo Hirano
  • Mauro Silva
  • Jorge Rangel
  • Rafael Diniz
  • Gil Viana
  • Davysson Miranda
  • Albertinho
  • Magal
  • Miguelito
  • Fábio Ribeiro
  • Thiago Virgilio
  • Genásio
  • Neném
  • José Carlos
  • Ozéias
  • Auxiliadora
  • Cecília R. Gomes
  • Edson Batista
  • Alvaro Cesar
  • Marcão
  • Da. Penha

foto: URURAU

Café Faria

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Desempenho dos Candidatos de Travessão


PAPINHA PP 2.861

*OZÉIAS PTC 2.804


CARLOS ALBERTO DO CANÃA PR - PRB / PR 1.587

PASTOR ISAIAS PHS 659

BAHIA DE TRAVESSÃO PHS 253

JOÃO DE GUANDU PTC 230

ZÉ RODRIGUES PTB - PTB / PSDB 166

PROFESSOR JOEL CAMPISTA PSD - PMDB / PSD 145

RICARDO DE TRAVESSÃO PC do B - PV / PC do B 53

NILCE DO CANAA PSD - PMDB / PSD 29


* ELEITO


Mesmo o vereador PAPINHA sendo o mais votado ele não consegui se reeleger por causa de sua legenda que conseguiu eleger o vereador Albertinho e Miguelito. Já OZÉIAS conseguiu uma vaga na câmara sendo o segundo mais votado do PTC, como já era previsto. Carlos Aberto do Canaã obteve uma votação expressiva mas ficou na 3ª suplência de sua coligação (PR-PRB) que fez 7 vereadores.

PMDB perde força no Sul Fluminense




Das quatro maiores cidades do Sul Fluminense, o PMDB perdeu em três (Barra Mansa, Angra dos Reis e Resende) e terá que enfrentar pela primeira vez na história um segundo turno em Volta Redonda.

Resende, Noel de Carvalho (PMDB) ex-prefeito, ex-deputado federal, ex-deputado estadual, Secretário de Estado nos Governos Brizola, Garotinho, Rosinha e Cabral, sofreu uma humilhante derrota para o atual prefeito José Rechuan (PP), que, proporcionalmente, foi o prefeito mais votado da Região, 46.317 votos (73,44%) e, de quebra, o mais votado da história de Resende. Noel teve 24,53% e Pastor Eleon (PR) 2%. Frisa-se que os votos dados a Rogério Coutinho (PT) ficaram sub júdice e, sendo computados, reduzem os índices de Rechuan (e os de Noel também). Enfim, uma pena que Noel tenha encerrado sua carreira dessa forma, mas uma campanha recheada de ataques não seria suficiente para atingir um prefeito bem avaliado, de posse de uma máquina pesada, que é uma prefeitura.
Em Barra Mansa, o prefeito José Renato até conseguiu reagir um pouco na reta final, mas não conseguiu evitar a vitória do candidato do PCdoB, Jonas Marins, eleito com 45% dos votos. Zé teve 36% e a deputada Inês Pandeló (PT) 24%.

Em Angra, como era de se esperar, a eleição foi disputada voto a voto. No final, Conceição (PT) conseguiu abrir uma certa vantagem e foi eleita por 52,42% contra 47,58% do ex-prefeito e suplente de deputado federal Fernando Jordão (PMDB). Mas o ex-prefeito em boa parte da apuração esteve na frente.

Por fim, Volta Redonda terá pela primeira vez em sua história um segundo turno. O prefeito Antônio Francisco Neto, que se elegeu pela primeira vez em 1996 com mais de 60% dos votos, se reelegeu em 2000 com quase 80% dos votos, conseguiu eleger um “poste”, seu primo Gotardo Neto, em 2004, contra o então poderoso deputado federal Baltazar, de quem Neto foi aliado no passado, e, mesmo após o desgaste de 12 anos do seu grupo no Poder conseguiu a reeleição com 54% dos votos em 2008, terá que enfrentar agora um segundo turno. Neto teve 49,6%, próximo de vencer no primeiro turno, mas, por outro lado, o deputado federal Zoinho conseguiu mais de 70 mil votos e alcançou 42,93% dos votos válidos. Zoinho que disputou as eleições de 2008 dobrou sua votação em 2012.